RELACIONADOS



categorias

3 de junho de 2019

@ts


captured Taylor Swift - Blank Space


Eu juro que não quero ser mais uma Taylor Swift escrevendo sobre decepções amorosas, mas é inevitável, elas foram feitas para mim.

Posso começar assumindo que agora a pouco estava escrevendo sobre a ilusão do carma, como eu sempre gostei muito de um rapaz e, às vezes, tenho uma forte sensação de que não importa quanto tempo passe, nem que nos afastemos por escolhas e prioridades, nós sempre voltaremos um para o outro, e agradeço a Deus por não ser a única iludida assim, já que ele também sente a mesma coisa, nós até fizemos um trato de que se, daqui a dez anos, nós ainda nos encontrarmos e sentirmos essa mesma coisa, nós teremos certeza de que era pra ser.  Pois então, era.

Se eu cometesse a loucura de expor que um dos meus exs parece meio obcecado por mim até hoje, que chega a chamar pelo meu nome enquanto dorme, causando transtorno inclusive nos seus relacionamentos atuais? Aposto que como os meus amigos, você ficaria um pouco preocupado comigo, porque talvez eu tenha namorado um psicopata, um possível stalker. Espero não estar correndo nenhum tipo de perigo, se você estiver lendo isso.

E, eu havia prometido à minha sanidade mental e paz de espírito que não escreveria sobre você, mas, tudo bem, nesse momento eu posso, até porque você foi a minha maior decepção, e o mais engraçado de falar isso é que, mesmo esperançosa, eu sempre soube que você era um caso perdido, o problema foi você beijar tão bem que eu me permiti mentir pra mim mesma só para desvendar um pouquinho mais o seu jeito misterioso de ser, acho que era esse o problema, você sempre foi um mistério e eu adorava tentar te desvendar, uma pena que eu tenha descoberto que o encantamento era só na minha mente e que eu fiz o meu papel de boba com maestria.

Vamos agora para a parte que eu conto sobre minhas paixõezinhas de adolescente, em que eu passava horas no celular, conversando com os que me tiravam o fôlego, encarando o teto lilás do meu quarto (e se você estiver se perguntando se o teto do meu quarto sempre foi lilás por eu sempre falar dele nos meus textos e cartas, sim, sempre foi) e depois ficava ouvindo as músicas do Luan Santana, sonhando com alguém que sentisse igualzinho ele cantava, e depois então usufruindo de todo o drama que sempre dominei quando eu descobria que nunca era como eu imaginava.

Ou o menino falava algo que eu não gostava, ou deixava de fazer algo comigo, ou então era realista o suficiente para me mostrar que eu estava vivendo no mundo da lua; esses foram os motivos básicos das minhas primeiras decepções.

E eu posso, finalmente agradecer a cada uma delas, não apenas por terem sido necessárias para que eu pudesse aprender um pouco mais sobre a vida real, e sobre como ser intensa demais tem suas vantagens e extremas desvantagens, mas como também preciso agradecer pelas porções de emoção, sentimentos, pelas histórias que hoje posso contar, boas e ruins, por hoje eu ser um pouco menos garota-conto-de-fadas. E mais ainda, preciso agradecer, por todas as  palavras que consegui organizar em textos, exprimindo meus sentimentos, para poder pôr pra fora a dor e o êxtase de ser quem eu sou.

E acho que tudo bem ser um pouquinho Taylor Swift escrevendo sobre garotos e como eles são capazes e sim, vão quebrar seu coração.


_______________________________________________________________________

Esse texto faz parte do projeto MONDAY - Conte sua história e ela virará poesia.

Qualquer semelhança é mera coincidência haha, essa é a história da @ts, uma amiga de um grupo que tenho no facebook de bloggers, espero que tenham gostado, e por favor, caso queira ter sua história aqui no blog, só me mandar uma mensagem, que iremos conversar, a identidade de vocês é sempre preservada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário