RELACIONADOS





Resenha "Como Superar Um Fora"

27 de junho de 2019

Carol, Fe e Nat/@Netflix
O filme "Como Superar Um Fora",  título original "Soltera Codiciada"  (originalmente peruano) foi lançado em 31 de maio de 2018, mais uma produção Netflix. Com direção de Bruno Ascenzo e Joanna Lombardi Pollarolo, na equipe técnica Erick Willians como o montador, e Mário Farias como o diretor de arte.

No elenco principal temos a Gisella Ponce De Léon (Maria Fé, a nossa soltera codiciada), Karina Jordán (Natalia), Jely Reátegui (Carolina) e Christopher Von Uckermannv (Santiago).

O trama gira em torno da Maria Fe (Gisella Ponce De Léon), que está tentando lidar com o término do seu namoro que durou seis anos, a solidão de morar sozinha, depois de tanto tempo, a crise de identidade de uma mulher de vinte e nove anos que precisa ressignificar toda a sua realidade, e os desafios do seu trabalho quando ela se propõe a assumir a publicidade de uma marca de lenços de papel.



Fe, Santiago e Natalia/@Netflix


Ela sofre as fases do término em uma única noite, desde a negação até a aceitação, e acorda decidida a fazer tudo diferente, mudar completamente a sua vida, só que a sua mente lhe prega peças a todo o instante e o seu tão querido ex namorado aparece em relapsos de memória conversando com ela, o que, talvez, tenha dificultado um pouco o processo de superação do término.

A Fe começa a se reencontrar quando decide criar um blog, "Soltera Codiciada" (Solteira Cobiçada), e em menos de um dia sua primeira publicação tem mais de trezentas visualizações, com o apoio dos seus amigos, Natalia, Carol e Santiago, e alguns colegas de trabalho.

Ela vai de completamente derrotada a um recomeço triunfante, ganha uma irmã, a Carolina, sua nova "companheira de quarto", que lhe ensina a pintar os móveis, a tentar fazer pole dance, e até mesmo como ser carinhosa com as plantinhas, e se reencontra completamente quando sua amiga, Natalia, mostra para ela como o seu relacionamento tinha se transformado em dependência emocional e como quando ela estava com o Matías (seu ex) não existia a Fe, mas sim a namorada dele que girava em torno dele e procurava sempre formas de fazê-lo feliz.



@Netflix


De forma descontraída, e o mais importante, muito realista, o filme nos mostra como os relacionamentos podem se transformar em dependência emocional, anulando a personalidade de algum dos lados, e como os nossos amigos não foram feitos para dizer o que queremos ouvir, mas sim o que precisamos ouvir.

Com uma fotografia ótima, trilha sonora muito boa, e uma mensagem linda sobre recomeço e amor próprio, o filme tem o seu jeitinho de cativar.

E, finalmente, a Fe ensina que "princesa de verdade se salva sozinha!"



Resenha "Alguém Especial"

13 de junho de 2019

Erin, Jeny e Blair/@Netflix

O filme "Alguém Especial", foi lançado em 19 de abril de 2019, produção Netflix, direção e roteiro de Jennifer Kaytin Robinson. Na produção temos Gina Rodriguez, Paul Feig, Jessie Henderson, e Anthony Bregman, e na equipe técnica: Jeffrey Wolf, na montagem.

No elenco principal temos a Gina Rodriguez (Jenny), o Lakeith Stanfield (Nate, namorado de Jane), DeWanda Wise (Erin), Brittany Snow (Blair) e Peter Vack (Matt).

Depois de um longo namoro de nove anos, cheio de altos de baixos, chegou o fim. O Nate terminou com a Jenny. Ela é uma jornalista e escritora, que precisa aprender a viver sem o Nate, e como, na maioria das vezes, tudo é um gatilho para um escritor, imagine como ela fica quando coisas pequenas como as suas músicas prediletas tocam ou quando ela vê uma garrafa de coca-cola no freezer de uma mercearia e sua mente traz lembranças de momentos que teve com ele.

A algumas semanas de ir embora para São Francisco, ela se reúne com suas amigas, Erin e Blair, para tentar dar uma levantada no seu ânimo, o que muitas vezes é falho, porque (uma característica brilhante de Jenny), ela sente o que está sentindo no momento exato que sente, lembra das coca-colas? Imagine-a, parada de frente ao freezer agarrada a uma garrafa de coca enquanto toca uma música do tempo da faculdade. Ou então, pense nas três amigas cantando, fazendo coisas como queijo de microfone, cantando tão alto a ponto de o dono da mercearia ir reclamar com elas. Pois é. Preciso dizer mais alguma coisa para vocês entenderem que eu amei o filme?

Erin, Jenny e Blair/@Netflix


Três mulheres intensas, lidando com mudanças drásticas: Jenny indo embora e sofrendo pelo término do namoro de nove anos, Erin com dificuldades de assumir o que sente pela garota com que ela sai, e Blair presa e infeliz em um namoro, só porque ela não tem coragem de falar a verdade sobre como se sente para ele, por medo de machucá-lo.

O filme foi muito bem produzido, adoro essa imagem limpa, a iluminação perfeita, a trilha sonora me ganhou, não preciso esconder de ninguém.

E o que mais pesou para que eu fizesse a resenha do filme, foi que eu me identifiquei muito com a personagem, quer dizer, vocês notaram que eu tenho feito resenhas de filmes fofinhos ou que falam sobre términos de relacionamentos e superação? É o meu tipo de filme, embora não tenha nada a ver com a minha realidade. Eu gosto de ver, ouvir e ler sobre as diferentes formas que as pessoas lidam com seus sentimentos, em especial, quando se trata de um turbilhão de uma vez.

Além disso, o filme também nos mostra o peso de uma amizade sólida, sobre você ter alguém que possa contar de verdade, não importa a distância ou quanto tempo passe. Eles sempre estão lá.

Para os menores de dezoito anos, não indico que assistam porque contém muitas cenas em que elas usam drogas e algumas cenas de sexo.


 


Assim que eu conseguir descobrir as músicas que tocam no filme, faço uma playlist no Spotify e compartilho com vocês.

Espero que tenham gostado da resenha, e para todos que já assistiram ou vão assistir, por favor, me contem o que acharam! Vou adorar ler a opinião de vocês!
IASMIM SANTOS
LAYOUT POR LUSA AGÊNCIA DIGITAL